Max Fercondini planeja livro e conta rotina morando num veleiro

0
Max Fercondini Foto: Facebook

Max Fercondini coleciona personagens como o Léo de Malhação; o Conrado, de Ciranda de Pedra, Sérgio, de Páginas da Vida, entre outros. Agora, segundo contou em entrevista ao site GShow, da Globo,  o ator, aos 34 anos, leva uma vida bastante diferente. Mora há mais de dois anos em um veleiro.

Max contou ao Gshow sobre sua rotina, os planos para o futuro e sobre seu isolamento na quarentena.

“Sou um privilegiado e agradeço todos os dias pelas oportunidades que tenho. Acho que a gente atrai coisas positivas com atitudes e escolhas boas.”

Como conta ao site, Max já participou de  muitas aventuras como cruzar o Brasil pilotando um avião. Também já percorreu as estradas da América do Sul a bordo de um motorhome. Em março, estava se preparando para cruzar o Atlântico pela terceira vez de barco quando a notícia da pandemia o pegou de surpresa.

O ator, que mora em Lisboa, conta que tem usado o tempo livre para fazer serviços e manutenções no barco.

Confira alguns trechos da entrevista:

“Já cruzei o Atlântico duas vezes, em um total de 40 dias no mar, nas duas travessias. Estar confinado durante tanto tempo, sem acesso à internet e sem contato com qualquer ‘pedaço’ de terra é uma prova de que os seres humanos são capazes de se adaptar à qualquer situação e lograr sucesso em isolamento. A solidão pra mim não existe.”

“Só está solitário quem não tem na memória o carinho e calor de boas experiências vividas”, filosofa. “O resto é saudade. E saudade dos amigos eu tenho. Eles me ‘visitam’ sempre na lembrança. A escolha de morar em um veleiro é, para mim, uma viagem de autoconhecimento e é necessário que seja feita distante de tudo para que você possa se aproximar do seu ‘eu’ interior.”

“Pretendo lançar o livro no final deste ano ou no início do próximo. Ainda estou avaliando o que será melhor para fazer com todas as dificuldades que estamos passando, mas as pessoas podem acompanhar mais dessa minha rotina através das minhas redes sociais, pois tenho compartilhado alguns trechos do livro lá.”

“Tenho um público muito fiel aos meus trabalhos. Especialmente os que me acompanhavam na apresentação do Globo Ecologia e nas expedições que fiz pela América do Sul. Aqui em Portugal, às vezes eu ainda fico chocado por ser reconhecido na rua por portugueses e africanos que vivem em Lisboa. É impressionante ver o poder das novelas brasileiras em países lusófonos.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.